CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA-INFRAESTRUTURA

CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA-INFRAESTRUTURA
CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA- INFRAESTRUTURA

terça-feira, 12 de setembro de 2023

Grupo suspeito de invadir fazenda a mando de empresária é preso

 

Divulgação/PCGO


Fazenda é avaliada em mais de R$ 10 milhões, quatro pessoas foram presas e três estão foragidas, incluindo a mandante.


Uma operação conjunta da Polícia Civil (PC) e Militar realizou (PM) a prisão de quatro indivíduos nesta segunda-feira, 11. Eles são suspeitos de terem invadido uma fazenda em 20 de agosto, avaliada em mais de R$ 10 milhões, em Alto Paraíso de Goiás, com o suposto objetivo de tomá-la a mando de uma empresária. De acordo com a PC, três pessoas estão foragidas, incluindo a empresária.

Ainda nesta segunda-feira, foram realizados oito mandados de busca e apreensão. Entre os envolvidos, havia um policial militar da reserva do Distrito Federal, um guarda civil municipal e um instrutor de tiro da Guarda Civil Municipal de Planaltina de Goiás. Na ocasião, após serem levados à delegacia, apenas um dos suspeitos foi mantido sob custódia devido à posse ilegal de arma.

Os detidos podem responder pelos crimes de esbulho possessório, porte ilegal de arma de fogo, corrupção passiva, corrupção ativa e associação criminosa.

A invasão

Conforme relatado pela polícia, a invasão foi violenta. Os suspeitos chegaram ao local em veículos particulares equipados com sirenes e giroflex. No local, eles se fizeram passar por policiais, e alegaram que estavam lá para cumprir um mandato de reintegração de posse.

Neste momento, os caseiros pediram documentos e entraram em contato com o proprietário, que chamou a Polícia Militar de Goiás. Os suspeitos então deixaram a chácara em direção desconhecida.

Ao chegarem no local, os policiais deram início a uma investigação profunda e os encontraram.

Segundo a PC, os suspeitos detidos na invasão confessaram que uma empresária os contratou para obter posse da propriedade, além de ter prometido um pagamento mensal de cerca de R$ 50 mil. Eles alegaram que eram membros de uma empresa de segurança do Distrito Federal e afirmaram estar apenas cumprindo um serviço.

A polícia está investigando se realmente ocorreu o pagamento e a contratação dos suspeitos envolvidos na invasão, e de que maneira isso ocorreu.

Por FERNANDO KELLER

Fonte:https://www.dm.com.br/



Nenhum comentário:

Postar um comentário