CAMPANHA ENTORNO GOIÁS

CAMPANHA ENTORNO GOIÁS
CAMPANHA ENTORNO GOIÁS

terça-feira, 12 de setembro de 2023

Sobe para 47 número de mortos pelas chuvas no Rio Grande do Sul

 


Estragos feito pelo ciclone extratropical que atingiu o Rio Grande do Sul - (crédito: Defesa Civil/RS)


Subiu para 47 o número de mortos em decorrência do ciclone extratropical no Rio Grande do Sul, segundo o balanço divulgado na manhã desta terça-feira (12/9) pela Defesa Civil do estado. O último óbito foi registrado no município de Colinas, que já conta com duas mortes até o momento.

Muçum é a cidade com o maior número de mortes, 16, seguida por Roca Sales, com 11 mortos. Depois figuram as cidades de Cruzeiro do Sul (5), Lajeado (3); Colinas, Estrela e Ibiraiaras (com 2 óbitos cada); e Bom Retiro do Sul, Encantado, Imigrante, Mato Castelhano, Passo Fundo e Santa Tereza registraram, até o momento, um óbito cada.

O vice-governador do Rio Grande do Sul, Gabriel Souza, informou que o número de pessoas desaparecidas caiu para 8, sendo 2 em Lajeado, 1 em Roca Sales, 4 em Muçum, e 1 em Arroio do Meio. Segundo ele, o número é bem menor do que estava sendo reportado pela Defesa Civil nos últimos dias, de 46 desaparecidos. 

Ainda de acordo com Souza, a queda está relacionada à força-tarefa feita pelo governo estadual em parceria com outros estados para identificar se o número de desaparecidos notificados pelas prefeituras realmente refletia a situação das pessoas não localizadas. Ele destacou que, muitas das vezes, os familiares não avisam às autoridades quando alguém que estava desaparecido é localizado.  

A Defesa Civil informou que 3.130 pessoas foram resgatadas até o momento. Há 4.794 desabrigados e 20.517 desalojados, além de 925 feridos.

O último boletim meteorológico divulgado pela Sala de Situação do governo do Rio Grande do Sul alerta para um “alto volume de chuva e temporais esperados para os próximos dias, sobretudo na metade sul” do estado. Até sexta-feira (15) há o risco de tempo severo em grande parte das regiões, além de alto risco para queda de granizo, descargas elétricas e vento forte”.

Eventos extremos cada vez mais frequentes

A professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nubia Beray, explica que o último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) evidenciou que o aumento das temperaturas tem intensificado a frequência dos eventos extremos. “Em âmbito teórico e de análise de processos a gente sabe que o um dos indicadores de mudança climática, que é o aquecimento global, tem esse potencial de ampliar a ocorrência e a frequência dos eventos extremos.”

Para Beray a tendência é que os fenômenos extremos vão assumir uma magnitude cada vez maior. Segundo ela, o atual momento exige o estabelecimento de políticas públicas de adaptação e de mitigação.

“A gente vai conviver mais com esses eventos. Essa é uma questão que levanta muita discussão e a necessidade de políticas públicas em vários aspectos. No primeiro momento, adaptação, e, no segundo, o da mitigação. Porque a gente passou de um momento em que a gente discutia se era necessário se adaptar, onde era necessário, mas a gente tem visto que a adaptação não é uma escolha, é uma necessidade. Só que, para a gente promover estruturas socioespaciais adaptadas, a gente precisa de políticas públicas para isso.”

Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário