CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA--INFRAESTRUTURA

CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA--INFRAESTRUTURA
CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA--INFRAESTRUTURA

terça-feira, 23 de janeiro de 2024

Professora do DF pede ajuda para recuperar filhas levadas para o Líbano

 

Bianca Carneiro luta para conseguir ter de volta as filhas, que foram levadas pelo ex-marido para o Líbano - (crédito: Acervo pessoal )


Bianca Carneiro não sabia que o ex-marido levaria as duas filhas gêmeas para o Oriente Médio. A professora não vê o as meninas desde abril de 2022


Professora da rede privada de ensino do Distrito Federal, Bianca Moreira Carneiro, 43 anos, não vê as filhas pequenas desde abril de 2022. As duas meninas gêmeas, de 4 anos à época, foram passar a Páscoa com o pai, que, sem autorização da mãe, levou-as para o Líbano. Uma decisão do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), determinou a busca e apreensão das menores. No entanto, a execução da decisão é inviabilizada pelo fato de o Líbano não fazer parte da Convenção de Haia.

Bianca e o ex-marido firmaram união estável em 2017. No ano seguinte, nasceram as duas meninas. Em 2021, a professora decidiu se casar no civil com o libanês. “O casamento era preciso para ele conseguir registrar as meninas no país dele. Eu achei justo, porque eu também ia querer registrar minhas filhas no Brasil se eu fosse uma estrangeira em outro país”, lembra Carneiro.

A professora relata que, ao longo do relacionamento, também passou por situações de abuso. “Ele nunca me bateu, mas me agredia verbalmente e psicologicamente, com temperamento explosivo”, conta. O divórcio veio em fevereiro de 2022, poucos meses antes das meninas irem para o Líbano. “Nunca imaginei que ele faria isso”, lamenta a mãe.

Depois que as filhas passaram a morar no país do Oriente Médio, Bianca tem tido contatos esporádicos com as garotas, passando de três a quatro meses sem ter notícias delas. O pai a bloqueou de todos os contatos que pudessem ser canal entre ela e as filhas, fazendo com que a ela seja obrigada a falar com ele para falar com as meninas.

Há tempo vivendo fora do Brasil e em uma fase da vida em que ainda se aprende a falar, as gêmeas acabaram parando de falar português. Bianca tem percebido que o pai tem praticado alienação parental com as filhas, irregularidade que consiste na interferência psicológica na criança ou adolescente promovida por um dos genitores ou por quem detenha a guarda, que prejudica a formação dos laços afetivos com a outra parte genitora ou seus familiares.

No perfil @maternidade_roubada, no Instagram, Bianca Carneiro conta toda a história de como as filhas foram parar no Líbano para os seguidores. “Um pedido de socorro”, descreve a bio da página.

Fonte:  https://www.correiobraziliense.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário