CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA--INFRAESTRUTURA

CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA--INFRAESTRUTURA
CAMPANHA DE UTILIDADE PÚBLICA--INFRAESTRUTURA

terça-feira, 7 de novembro de 2023

Adolescente descobre que foi estuprada ao ver vídeo da agressão nas redes

 

Assim que viu o vídeo do estupro, a vítima foi até uma delegacia para prestar queixa, acompanhada por uma irmã. Ela passou por exame de corpo de delito, que comprovou a agressão - (crédito: Pixabay/ reprodução)

A vítima teria sido violentada na casa de uma amiga após ficar bêbada e desacordada. A adolescente afirma que não se lembra do que aconteceu

Um adolescente de 15 anos descobriu que foi estuprada por dois homens, de 20 e 22 anos, na Baixada Fluminense (RJ), na última sexta-feira (3/11), após ver a gravação da violência sexual que foi compartilhada na própria rede social dela. A vítima teria sido violentada na casa de uma amiga após ficar bêbada e desacordada.

A adolescente afirma que não se lembra do que aconteceu. Assim que viu o vídeo do estupro, a vítima foi até uma delegacia para prestar queixa, acompanhada por uma irmã. Ela passou por exame de corpo de delito, que comprovou a agressão, e foi encaminhada ao hospital para receber atendimento médico.

“Ligaram para o meu serviço na sexta de manhã pedindo para eu buscá-la. Encontrei com a boca espumando. Eu perguntei se eles tinham usado drogas, mas disseram que não. Foi quando eu recebi uma ligação perguntando se eu já tinha visto os vídeos na internet, eram os vídeos do que fizeram com ela. Foi assim que ela ficou sabendo e disse: ‘Como assim? Eu não lembro de nada disso!’”, disse a irmã da vítima, à TV Globo.

Segundo o g1, a menina foi levada até a casa onde ocorreu o crime em uma viatura policial sem a companhia da irmã mais velha. Os agentes seguiram para a casa dos suspeitos. Três menores de idade foram conduzidos até a delegacia, mas ainda não se sabe se eles são testemunhas ou estão envolvidos na violência sexual. Também não há informações sobre o paradeiro dos dois homens que estupraram a adolescente.

Correio tenta contato com a Polícia Civil do Rio de Janeiro para saber mais informações sobre o caso, mas até a publicação desta matéria não houve retorno. O espaço segue aberto para eventuais manifestações.

Fonte:  https://www.correiobraziliense.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário