TÚNEL DE TAGUATINGA

TÚNEL DE TAGUATINGA
O FUTURO PASSA POR AQUI

quinta-feira, 10 de março de 2022

Ucrânia acusa Rússia de atacar hospital infantil e ferir 17: "Atrocidade"

Foto:Gabinete do Chefe da Defesa/Twitter Imagens compartilhadas pelo gabinete do Chefe da Defesa da Ucrânia mostra o rastro de destruição causado pelo bombardeio
Em um discurso duro, Zelenskyy diz que países aliados têm poder para parar os bombardeios, "mas parecem estar perdendo a humanidade" O governo da Ucrânia denunciou, nesta quarta-feira (9/3), um bombardeio feito pelos militares russos contra um hospital pediátrico em Mariupol, porto no sudeste da Ucrânia. De acordo com um membro do governo do país, Pavlo Kirilenko, 17 adultos ficaram feridos, todos funcionários do hospital. As crianças, público-alvo do local, não foram atingidas e não há registro de óbitos. No entanto, o local foi severamente comprometido e deve ser evacuado o quanto antes. Em um vídeo publicado pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, é possível ver diversos cômodos destruídos, soterrados em restos de concreto. Veja: Zelensky condenou o ataque e pediu uma ação efetiva de países aliados, além de solicitar, mais uma vez, uma zona de exclusão aérea na Ucrânia. O mandatário solicita à Aliança do Tratado do Atlântico Norte (Otan) o fechamento do céu russo, atitude que proíbe o voo de aviões sem autorização. Caso a zona seja invadida, os 30 países da organização e o próprio país poderão abater as aeronaves, nesse caso, que integram as tropas russas. Em um discurso duro, Zelenskyy diz que os países têm poder, “mas parecem estar perdendo a humanidade”. “Ataque direto de tropas russas na maternidade. Pessoas, crianças estão sob os destroços. Atrocidade! Por quanto tempo mais o mundo será um cúmplice ignorando o terror? Feche o céu agora mesmo! Pare com os assassinatos! Você tem poder, mas parece estar perdendo a humanidade”, declarou. Em resposta ao ataque, que não é o primeiro contra instituições de saúde, o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, disse que a ONU e a OMS exigem “o fim imediato dos ataques a instalações de saúde, hospitais, profissionais de saúde e ambulâncias”. Já o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, classificou o ataque como “imoral” e prometeu responsabilizar o presidente russo, Vladimir Putin, “por seus crimes terríveis”. “Poucas coisas são mais imorais do que atacar os vulneráveis e indefesos. O Reino Unido está buscando mais apoio para a Ucrânia se defender contra ataques aéreos”, declarou na conta do Twitter. Já a Casa Branca classificou como “uso bárbaro da força militar contra civis inocentes” os bombardeios russos. foto: Gabinete do Chefe da Defesa/Twitter Civis que estavam em hospital pediátrico são evacuados após bombardeio
Foto:Gabinete do Chefe da Defesa/Twitter
Fonte:https://www.correiobraziliense.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário