A CADA DIA, VIVEMOS MAIS PERTO DA VALPARAÍSO QUE QUEREMOS

A CADA DIA, VIVEMOS MAIS PERTO DA VALPARAÍSO QUE QUEREMOS
VALPARAÍSO QUE EU QUERO 27

quinta-feira, 3 de março de 2022

Tereza Cristina diz que alimentos ficarão mais caros no Brasil

Foto: Fotográfo/Agência Brasil
Sobre os fertilizantes, a ministra afirmou que o setor privado confirmou "estoque de passagem para chegar até a próxima safra, em outubro" e que articula a exportação com outros países produtores de potássio A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (02/03), que os alimentos ficarão mais caros no país, mas que o aumento dependerá da escalada da guerra no leste europeu. "Isso tudo depende, se a guerra acaba hoje ou amanhã, é um impacto. Se ela continuar por muito tempo, é outro. A gente tem que diminuir esses impactos. Achar alternativas de ter fornecimento, abastecimento. O preço é o mercado, o trigo subiu nas alturas por quê? Porque a Ucrânia é um grande produtor de trigo, então influencia no mercado global". A ministra pontuou que a pasta procura maneiras de reduzir os impactos. "O preço, a gente acha que terá uma alta sim, quanto? A soja já subiu, já caiu um pouco, o milho já subiu, já caiu um pouco. Isso é uma commodity. A gente tem que acompanhar e diminuir os impactos que poderão ter.", relatou. Sobre os fertilizantes, a ministra afirmou que o setor privado confirmou "estoque de passagem para chegar até a próxima safra, em outubro" e que articula a exportação com outros países produtores de potássio como o Irã, Arábia Saudita e Canadá, país no qual desembarcará no próximo dia 12. E emendou que a safra atual já foi plantada, e os insumos, utilizados. "Estou indo dia 12 para o Canadá. Essa viagem já ia ocorrer, mas foi confirmada agora, que temos conversa mais firme com nosso maior exportador de potássio. Quero deixar uma mensagem de equilíbrio. A safra brasileira desse momento, a safrinha, já está acontecendo. O que precisava de fertilizante já plantou". E afirmou que, no momento, não há nenhum navio retido com fertilizantes. "Não tem nenhum navio retido. Não existe ainda nenhuma notícia de que alguns navios tenham sido embargados, e não poderiam sair de lá", pontuou. A dirigente do ministério observou ainda que a pasta conta com o plano A e o plano B. "O plano A é buscar outros parceiros, que a gente terá que importar quantidades menores, mas serão importantes", disse. Já o "B", seria a realização de ações junto a propriedades rurais para diminuir o uso dos insumos e, ainda assim, manter a produção. "Existe uma série de tecnologias, menos fertilizantes, tudo isso vai ser colocado, temos que ter calma, equilíbrio, a agricultura brasileira é forte, vai continuar forte, mas temos que dar alternativas e condições para continuar trabalhando", prosseguiu a ministra. Plano Nacional de Fertilizantes Tereza Cristina anunciou ainda que um Plano Nacional de Fertilizantes vem sendo elaborado e que o novo programa deve ser anunciado até o dia 17 de março, contendo soluções para a adequação de leis, questões tributárias e licenças ambientais. "Seria imperativo o Brasil deixar de ser um importador do tamanho das necessidades que hoje ele tem. Então, nós tínhamos que fazer uma política nacional para mudar essa dependência das importações. Nós não vamos ter autossuficiência, mas nós não vamos mudar essa matriz. Isso já vem sendo trabalhado pelo ministério há muito tempo, esse plano está pronto e vai ser anunciado agora no mês de março". "Foi discutido entre muitos ministérios e também com a iniciativa privada, associações, produtores rurais, OCD, CNA e interessados no assunto. E aí vai ter alguns eixos nesse plano da parte tributária, da parte de legislação, da parte tributária, dos gargalos, de recursos para investimentos nessa área. Está tudo contemplado neste plano", explicou. Por fim, disse que é necessário tratar o assunto como segurança nacional e segurança alimentar. "Esse plano que nós fizemos há um ano atrás sem prever nada disso, era o que o governo pensava para que o Brasil tivesse um plano de pelo menos 50, 60% própria de produção de seus fertilizantes", concluiu. Fonte:https://www.correiobraziliense.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário