TÚNEL DE TAGUATINGA

TÚNEL DE TAGUATINGA
O FUTURO PASSA POR AQUI

terça-feira, 10 de maio de 2022

Diretora é acusada de “enforcar” aluno de 11 anos para separar briga em escola do Goiás

Uma Diretora que não teve sua identidade divulgada, da Escola Municipal Leonísia Naves de Almeida, é acusada de “enforcar” um aluno, de 11 anos, no momento em que foi separar briga do estudante com um “colega” no pátio da unidade na manhã dessa segunda-feira (09/05), no Setor Morada Do Sol, em Goiânia. Conforme a versão da mãe da criança, supostamente, agredida, ao tomar conhecimento do caso e chegar à escola, outros alunos teriam dito que no momento em que a diretora foi separar a briga pegou o menor pelo pescoço e teria apertado. O filho confirmou a versão e teria chorado ao ver a mãe. No entanto, a diretora nega a agressão. Segundo ela, após ser informada sobre a briga dos estudantes no pátio, teria ido constatar o que estava acontecendo e, ao flagrar a situação, segurou os meninos na região entre o ombro e o pescoço, separando os dois e levou para a diretoria. Em seguida, acionou as mães na escola. Diante das acusações, a Guarda Civil foi acionada na escola, tomou conhecimento das versões e comunicou o fato ao Conselho Tutelar. O caso foi levado ao conhecimento da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), que deve pedir exame de corpo de delito para constatar se houve ou não agressão. Em nota, a Secretaria Municipal de Educação (SME) informa que a Pasta registrou caso de indisciplina entre os estudantes da unidade de ensino e que na ocasião, manhã dessa segunda-feira (09), a diretora interveio para cessar o princípio de confusão, porém, diante das alegações da responsável por um dos estudantes, a diretora se dispôs ir à delegacia esclarecer os fatos e realizar um exame de corpo de delito para confirmar que não houve qualquer tipo de agressividade por parte dela. A Secretaria ressaltou que enviou apoios técnicos e pedagógicos para dar suporte aos estudantes e profissionais da unidade e apurar o ocorrido. O caso segue em investigação. Com informações: G5 News

Nenhum comentário:

Postar um comentário