TÚNEL DE TAGUATINGA

TÚNEL DE TAGUATINGA
O FUTURO PASSA POR AQUI

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Justiça ordena prisão de delegada que tinha quase R$ 2 milhões em casa no Rio

A delegada foi denunciada sob suspeita de corrupção pela liberação de máquinas caça-níqueis e será encaminhada à Corregedoria de Polícia A Justiça do Rio determinou nesta terça-feira (10) a prisão preventiva da delegada Adriana Belém, acusada de envolvimento em uma organização criminosa especializada em jogos de azar. Na casa dela, foram encontrados cerca R$ 1,8 milhão, sendo que parte do dinheiro estava em sacolas da grife Louis Vuitton.
A delegada foi denunciada sob suspeita de corrupção pela liberação de máquinas caça-níqueis e será encaminhada à Corregedoria da Polícia Civil. Os promotores suspeitam que o valor encontrado seja proveniente de lavagem de dinheiro. A reportagem não conseguiu ainda contato com a defesa dela. Segundo a Polícia Civil, Belém não ocupa atualmente cargo na corporação e está lotada em outro órgão. “A Corregedoria-Geral da instituição solicitará acesso às investigações para dar andamento aos processos administrativos necessários”, disse o órgão em nota. Belém foi um dos alvos da operação Operação Calígula, que tem como objetivo desarticular um esquema para proteger uma organização criminosa especializada em jogos de azar. O Ministério Público estadual denunciou ao todo 30 pessoas no caso. Segundo a denúncia, um dos integrantes do grupo é Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos que mataram a vereadora Marielle Franco na noite de 14 de março de 2018. Ele foi preso em março de 2019 e se tornou réu sob acusação de homicídio da parlamentar. Segundo a Promotoria, o grupo é liderado por Gustavo de Andrade e seu pai, Rogério de Andrade –sobrinho de Castor de Andrade, um dos maiores bicheiros cariocas. Castor sofreu um infarto em 1997 enquanto cumpria prisão domiciliar. Segundo o Ministério Público, a organização criminosa atuava no Rio de Janeiro e em outros estados do país. Segundo a denúncia, os criminosos tinham acertos com agentes da Polícia Civil mediante pagamento de propina. O objetivo do acordo era garantir a proteção do bando. Já os agentes da Polícia Militar receberiam valores mensais para permitir o funcionamento das casas de aposta do grupo. A delegada Adriana seria uma das agentes que ajudaria o bando. Fonte:https://jornaldebrasilia.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário