TÚNEL DE TAGUATINGA

TÚNEL DE TAGUATINGA
O FUTURO PASSA POR AQUI

quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

Produtor norte-americano sofre racismo no RJ e reage com soco; veja vídeo

Foto:(crédito: Twitter/Reprodução)
Casal chamou o empresário por termo racista e queria ser atendido antes dele na recepção do hotel. Polícia investiga crimes de injúria racial e lesão corporal Um episódio de racismo que terminou em agressão em um hotel de luxo no Rio de Janeiro causou repercussão nas redes sociais nesta semana. O produtor musical HL Thompson foi alvo de uma série de insultos racistas feitos por um casal na recepção do Hilton, em Copacabana, que não aceitou o atendimento prioritário do empresário — vantagem dada a clientes “gold” do estabelecimento, o que Thompson era. Em determinado momento, a mulher desferiu tapas no rosto do homem, que se desvencilhou e deu um soco no companheiro dela, um turista alemão. O homem caiu desacordado no chão. A filmagem da agressão, postada nas redes sociais por outro hóspede estrangeiro, viralizou nas redes sociais. O caso ocorreu neste último dia 30 de dezembro. O produtor contou que, antes da filmagem, o casal teria “empurrando” ele “ e tentando cortar a fila de membros diamonds” por mais de 30 minutos, e, quando pediu para os dois não invadirem o espaço dele, o marido começou a chamá-lo por um termo racista usado nos EUA — "nigger". HL afirmou que os dois estavam bêbados e que foram racistas. Um homem que filmava a ação, chamou o casal de racistas e bêbados. “Furiosos porque ele é membro do Gold ou Diamond Hilton e portanto recebe o serviço antes de todos”, escreveu. O homem também disse que os funcionários do hotel deixaram a “mulher racista” fazer o que for, inclusive agredi-lo. Veja o vídeo:
No vídeo, o dono do registro narra a cena e classifica como “inaceitável” a situação. Ele ainda avisa à brasileira, que “está em descontrole”, que se ela for brigar com ele, terá que enfrentar a reação. “Eu não sou ele [o produtor]”, disse para mulher dando a entender que não pouparia agressões a ela, diferente do produtor. Thompson estava no hotel por ter alugado um dos espaços do estabelecimento para promover o festival SlyFox Fest, idealizado por ele. O evento ocorreu entre 27 e 31 de dezembro e celebrava a cooperação artística entre o Rio de Janeiro e Nova Iorque no âmbito da música, arte, grafite e moda. Ao site Cultura e Negócios, Thompson contou que o festival traria fomento para marcas e artistas do Rio e de Nova Iorque, “colaborando para a geração de novas tecnologias, fomentando a economia criativa e o compartilhamento de informações e oportunidades entre criadores das duas cidades”. Casal registrou queixa na polícia e disse que os dois foram agredidos pelo produtor HL Thompson revelou que não pôde acompanhar a própria festa porque o casal chamou a polícia e disse que foi atacado por ele. “Fiquei esperando horas fora do hotel, porque os funcionários não queriam que eu encontrasse a polícia. Não pude ficar na festa e fui para o Airbnb que eu também tinha alugado”, contou. O produtor chegou a pedir ao homem que filmou a situação para que ele enviasse o vídeo para deixar claro quem foi que começou o desentendimento. “Você pode me enviar o vídeo para que possa enviar para a sede do Hilton? Por causa dessa falha de segurança fiquei fora do hotel, e eles mentiram dizendo que os ataquei. Obrigada por gravar”, escreveu em um comentário do post do vídeo. A polícia confirmou que o casal registrou um boletim de ocorrência em que afirmam que foram agredidos, ambos com socos, e que os seguranças do hotel não detiveram o produtor, que “fugiu do local”. A corporação também afirmou que o casal “aparentava estar embriagado" e que não está mais no Brasil. Na manhã desta quarta-feira (5/1), o empresário prestou depoimento na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), acompanhado por um advogado e membros do consulado americano no RJ. Ele afirmou que socou o marido da mulher que o atacou por ver que ele estava caminhando na direção dele. “Eu só reagi, em autodefesa, para que ele não me atacasse também”, disse ao g1. Thompson também disse que o casal o irritou repetidas vezes chamando-o de “nigger” — expressão racista norte-americana. Com o depoimento, foi aberta uma investigação para apurar os crimes de injúria racial e lesão corporal. Foram ouvidos, além de Thompson, o gestor de segurança e uma recepcionista do hotel, que revelaram que o casal estava alterado. Na terça-feira (4/1), Thompson publicou uma frase do líder do movimento por direitos civis e do povo negro nos EUA, John Lewis, em que diz que “nunca, jamais, tenha medo de fazer barulho e se meter em problemas, problemas necessários”. Na legenda, o empresário disse que a geração dele não é como “os ancestrais” e que “o comportamento racista não será tolerado em nenhum nível”. “O preto é lindo e se isso te deixa desconfortável, esse é um problema pessoal, não nosso. Eu amo minha pele negra e não odeio as lindas benção de Deus”, disse.
Ao Correio, o porta-voz do Hilton Copacabana afirmou que a rede tem "uma política de tolerância zero contra o racismo ou discriminação de qualquer tipo". "Nosso objetivo é ser acolhedor e hospitaleiro para todos que entram por nossas portas", afirmou em nota. Ele também disse que o hotel "continua cooperando com a polícia na investigação" e que "por se tratar de um caso policial ativo", não podem fornecer mais detalhes. Fonte:https://www.correiobraziliense.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário