UM NOVO TEMPO

UM NOVO TEMPO
+ DE 40 ATENDIMENTOS PEDIÁTRICOS

sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

Terrivelmente evangélico-- André Mendonça é empossado como ministro do Supremo Tribunal Federal

Três dias após a posse, o novo ministro vem a Goiânia para um “culto de ação de graças” | Foto: Reprodução
Rito da posse foi bastante rápido e contou com a presença do presidente da República Jair Bolsonaro Na presença do presidente Jair Bolsonaro (PL), do vice General Mourão (PRTB), do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD) e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), André Mendonça, foi empossado nesta quinta-feira, 16, pelo presidente da corte, Luiz Fux. Ele integrará a 11ª cadeira que estava desocupada desde julho deste ano após a aposentadoria do ministro Marco Aurélio. O novo ministro é ex-advogado-geral da União (AGU) e também é pastor da Igreja Presbiteriana. Ele vem a Goiânia no próximo domingo, 19, para um culto de ação de graças pela posse como ministro na Igreja Fonte da Vida a convite do líder da igreja, Apóstolo César Augusto, e do filho dele, o ex-deputado Fábio Sousa. Mendonça, inclusive, foi indicado pelo presidente da República como o ministro “terrivelmente evangélico” prometido pelo liberal quando houvesse a oportunidade. Após cinco meses na gaveta da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) do Senado, a indicação foi aprovada no início do mês de dezembro pela comissão e confirmada no plenário da Casa. O rito da posse ocorreu em poucos minutos, sem fila de cumprimentos ao empossado em respeito a pandemia de Covid-19 e contou apenas com a apresentação do Hino Nacional, com a assinatura do termo de posse e também com a condução do novo ministro a respectiva cadeira no Plenário do Supremo. “É uma liturgia simples e não comporta discurso”, acrescentou o presidente Luiz Fux durante a posse. O presidente anunciou o nome escolhido pelo ministro, “André Mendonça”, citou o histórico familiar do novo integrante da corte, o currículo dele e lembrou que o ministro foi membro da Advocacia Geral da União (AGU) por 22 anos. Ele chefiou a AGU em duas oportunidades. André também foi ministério da Justiça antes da indicação para o Supremo. O trabalho do ministro nas sessões da Corte começará efetivamente em fevereiro, quando o STF retornará do recesso de fim de ano, que terá início neste fim de semana. Além do plenário, ele atuará na Segunda Turma. Segundo ministro Esta foi a segunda indicação do presidente da República para o Supremo. Bolsonaro também foi responsável pela indicação do ministro Nunes Marques, que substituiu o ministro Celso de Melo em 2021. Por Dayrel Godinho Fonte:https://www.jornalopcao.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário