TÚNEL DE TAGUATINGA

TÚNEL DE TAGUATINGA
O FUTURO PASSA POR AQUI

sábado, 4 de dezembro de 2021

Fazendeira que negociou rendição de caseiro manteve frieza apesar de ameaça de morte

Foto:Foto tirada por Cindra Mara com Wanderson.(Foto:Arquivo pessoal)
A fazendeira Cinda Mara, que negociou a rendição do caseiro Wanderson Protácio, acusado de um triplo homicídio em Corumbá de Goiás, disse que foi ameaçada de morte por ele antes de convencê-lo a se entregar à polícia. A mulher contou que o suspeito bateu na janela do quarto dela por volta das 6h30 deste sábado (4), com a arma em punho. O marido da fazendeira tinha saído para buscar leite e ela permaneceu em casa. “A janela do quarto estava aberta, ele bateu com o revólver e o apontou para mim e falou: “Eu vou te matar”. Levantei, pedi para ele ficar calmo, tranquilo e pedi para ele afastar um pouco. Ele falou que iria me matar e eu disse que ele não faria isso. Tive muita frieza, fiquei muito calma”, disse à Rádio São Francisco. Veja: Homem foi preso nesta manhã Cinda Mara pediu para trocar de roupa e o caseiro permitiu que ela trocasse o pijama. Em seguida, ele pediu café. Segundo a fazendeira, o homem tremia de frio, fome e medo. “Ele dormiu na chuva, numa mata perto da casa de campo. Ele tomou o café e estava nervoso. Esperou meu marido sair para buscar o leite para entrar na chácara. Falei para ele ficar tranquilo, que ninguém o mataria”, contou. Os dois sentaram-se na cozinha e então Cinda Mara começou a convencê-lo. “Ele me falou que não queria fazer mal para ninguém e aí correu. Segurei no braço dele, puxei e falei para olhar nos meus olhos: “Você vai se entregar para a polícia e não vai mais fazer isso. Você está cansando os policiais. Fica aqui que vou te levar para a delegacia de Gameleira”, disse a fazendeira. Cinda Mara ainda ligou para o marido para avisá-lo da situação. Protácio decidiu se entregar e, segundo a fazendeira, tinha medo de morrer. Ele entregou a arma ao marido da mulher e foi com eles, no carro, à delegacia de Gameleira para se entregar. Foto encerrou desconfiança Depois de negociar a rendição, Cinda Mara acionou a polícia, mas os investigadores não acreditaram, uma vez que houve vários registros de informações falsas durante a operação de seis dias. Ela então recorreu a uma selfie. “Como há muitas informações desencontradas, tive que tirar a foto e mandar para o prefeito”, contou. Fonte:https://diariodegoias.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário